Luciana Mattiotti Reabilitação Oral
 
Implante Dentário
Orientações

Segurança, conforto e satisfação. Essas são as palavras que saem da boca de quem passou por um tratamento com implantes e recuperou a plena capacidade de mastigar, falar e sorrir. Mas uma das primeiras dúvidas que surge na mente daqueles que gostariam de pronunciar essas mesmas palavras é: será que eu posso? Será que todo mundo pode colocar um implante ou há contra-indicações? Afinal, quais são os riscos na hora de colocar um implante?
As respostas para essas questões não são tão simples assim. Para saber se você é, ou não, um candidato a um tratamento com implantes, uma série de fatores precisam ser analisados pelo dentista.
Entre esses fatores estão suas condições gerais de saúde. O diabetes, o fumo, as disfunções cardíacas graves, as doenças gengivais, as cáries, o acumulo de placa bacteriana, os canais mal-sucedidos,  a perda óssea acentuada, o bruxismo (ranger de dentes) e as infecções costumam ser os fatores de risco mais comuns para um tratamento com implantes dentários.
Mesmo assim, esses fatores não podem ser considerados impeditivos para a realização de um tratamento. Cada caso precisa ser analisado cuidadosamente, pois não há regras fixas estabelecidas.
tudo vai depender do quanto esses fatores poderão interferir no sucesso do implante. Por exemplo, se uma pessoa é portadora de diabetes, é preciso analisar se a doença está controlada, pois se a doença não estiver controlada, há um risco maior de inflamação. O mesmo raciocínio vale para os demais fatores.
Se você é fumante, isso não significa que está proibido de colocar um implante. O que as pesquisas mostram é que fumar durante as duas semanas posteriores a colocação do implante pode prejudicar o processo de cicatrização e contribuir para que o implante não fixe ao osso de maneira adequada.
Ou seja, fumar reduz o índice de sucesso do tratamento.
Como você pode perceber, há fatores que justificam um maior cuidado na hora de avaliar se é possível ou não realizar um implante. Muitas vezes, um inimigo que parece um monstro se transforma um aliado.
Há pessoas que temiam não poder fazer um implante por causa das cáries, mas, ao visitar um especialista, descobriram que poderia se livrar das cáries e, ainda por cima colocar um implante. Resolvera dois problemas de uma vez só.
O fato é que somente o dentista vai poder dizer se você é ou não candidato a um implante. Por isso mesmo que você apresente algum fator considerado inimigo do implante, vale a pena passar por uma avaliação.

O planejamento é a primeira fase do tratamento quando serão realizadas radiografias e demais exames (laboratoriais, por exemplo) para avaliar o seu caso. Analisando os resultados desses exames, o especialista vai fazer uma avaliação geral a respeito da saúde da sua boca, levando em consideração não apenas o estado dos dentes existentes, mas também das gengivas, das mucosas, da língua, dos músculos da mastigação, dos hábitos higiênicos e da quantidade e qualidade dos ossos. Quanto maior a quantidade e a qualidade do osso, melhor, porque assim é possível assegurar que os implantes tenham uma superfície segura e resistente onde se fixar.
É só a partir desse estudo minucioso que o cirurgião-dentista será capaz de determinar qual o tipo de implante mais adequado para o sei caso, o número necessário de implantes e a localização ideal para cada um. Nessa fase o profissional também é capaz de lhe dizer qual a prótese (dente artificial) mais indicada, mostrando qual será, possivelmente, o resultado final do tratamento. No entanto é preciso ressaltar que podem ocorrer imprevistos ao longo do tratamento. Por isso, essa previsão está sujeita a alterações.

 





 
Av. Andrômeda, 693 - Ed. Espaço Andrômeda - 4ºandar - Sala 407, Jd. Satélite - Fone (12) 3933-7892 / Fax (12) 3018-0812
Nort info